O que é SEO (Search Engine Optimization): o guia completo para alcançar os principais resultados do Google

O que é SEO?

SEO ou Search Engine Optimization é um conjunto de estratégias de otimização de sites, blogs e páginas da web com o objetivo de melhorar sua posição nos resultados orgânicos dos buscadores.

A cada segundo, milhões de consultas de pesquisa são processadas por mecanismos de pesquisa – principalmente o Google, o mecanismo de pesquisa mais popular do mundo.

Os usuários estão procurando respostas para uma variedade de perguntas de sua vida cotidiana (desde o hotel mais bem avaliado para a próxima viagem até a explicação da teoria da evolução). Quer saber mais sobre ? Acesse https://goomarketing.com.br/

Para cada pesquisa, o Google organiza os resultados classificando primeiro as melhores respostas. Os números a seguir mostram o quanto os usuários confiam no julgamento dos mecanismos de busca:

Os três primeiros links orgânicos recebem aproximadamente 30 de todos os cliques.
Apenas 0,78 dos usuários clicaram em um link na segunda página de resultados.
Confira o gráfico abaixo para ver a correlação entre a classificação da posição e o número de cliques:

Cada pesquisa dá à sua marca a oportunidade de fornecer a melhor resposta para o que os usuários estão procurando.

Com esse foco, é mais provável que você aumente sua visibilidade e cliques, obtenha mais tráfego orgânico e dimensione resultados com sua presença online.

Mas para isso, você precisa provar ao Google que você tem a melhor resposta e merece aparecer no topo da SERP (Search Engine Results Page).

Não se trata apenas de ter um ótimo conteúdo, trata-se de fornecer usabilidade, comunicar conhecimento de mercado e ajudar o Google a ler suas páginas.

Esses são os objetivos de uma estratégia de SEO.

O SEO também desempenha um papel no SEM (Search Engine Marketing), que abrange todas as estratégias de mecanismos de pesquisa, incluindo anúncios pagos e links patrocinados

>Por outro lado, SEO usa apenas estratégias orgânicas e não cobre compras de mídia. Isso resulta em um maior retorno sobre o investimento (ROI) e menores custos de aquisição de clientes (CAC).

O que são motores de busca?

Os mecanismos de pesquisa são sistemas ou algoritmos para rastrear, indexar e classificar o conteúdo da Web para exibi-lo de maneira ordenada com base nas pesquisas do usuário.

Quando falamos de motores de busca, não nos referimos apenas ao Google, mas também ao Bing, Yahoo!, Baidu e outros.

Até o YouTube e o Pinterest podem ser considerados mecanismos de pesquisa, pois costumam ser usados ​​para descobrir conteúdo.

Mas o Google é o líder claro na categoria, com quase 92 de participação no mercado de mecanismos de busca.

Cada mecanismo de pesquisa tem sua própria metodologia e critérios de classificação. Mas o objetivo final é sempre o mesmo: fornecer os melhores resultados para o que os usuários procuram.

Como funcionam os motores de busca?

Você já pensou cuidadosamente sobre o que o Google faz quando você pesquisa algo? Embora leve apenas milissegundos, é um processo longo para poder exibir uma lista de resultados que respondam à sua pergunta.

Em geral, os mecanismos de pesquisa consistem em três etapas:

Primeiro, os mecanismos de pesquisa rastreiam o conteúdo da web usando bots, também conhecidos como aranhas. No Google é conhecido como Googlebot. Esses bots seguem conexões de link na web e procuram páginas novas e atualizadas.

Depois disso, as páginas rastreadas são adicionadas ao índice do mecanismo de pesquisa, que funciona como uma enorme biblioteca de conteúdo da web.

Lá, as páginas são organizadas de acordo com as informações que o bot coletou sobre elas, como: B. Tempo de carregamento e palavras-chave.

Esses processos de rastreamento e indexação ocorrem continuamente.

Os bots estão constantemente encontrando e organizando conteúdo na web. Mas a ordem em que eles mostram aos usuários seus resultados é determinada pela classificação.

A classificação acontece toda vez que um usuário pesquisa algo – é disso que se trata o SEO.

De acordo com as palavras-chave usadas na pesquisa, o Google pesquisa rapidamente seu índice para encontrar páginas que correspondam a esses termos e responde à pergunta.

Portanto, a classificação é determinada pela melhor relação entre palavras-chave e uma série de fatores de classificação que compõem o algoritmo de busca.

Eles servem para oferecer uma melhor experiência ao usuário e consequentemente aumentar a posição da sua página nos resultados de busca.

Vamos nos concentrar nesses fatores com mais detalhes a seguir.

Algoritmo e atualizações do Google

O algoritmo do Google é a combinação de operações que definem como os links são classificados na página de resultados de pesquisa orgânica. Seu trabalho é criar uma hierarquia de páginas para fornecer resultados na ordem mais relevante para cada usuário.

O algoritmo usa um conjunto de critérios para conseguir isso e é atualizado continuamente para se tornar cada vez mais relevante.

Com essas atualizações, o Google não quer apenas melhorar a classificação dos resultados, mas também eliminar ou degradar conteúdos maliciosos e de baixa qualidade que podem afetar a experiência do usuário.

São milhares de atualizações todos os anos, mas algumas se destacam pelo impacto no mercado de SEO. Estas foram as principais atualizações do algoritmo do Google nos últimos anos:

  • Panda (2011): Páginas penalizadas com conteúdo de baixa qualidade que usaram más práticas, incluindo palavras-chave excessivas e fazendas de links.
  • Penguin (2012): penalizou sites com backlinks de baixa qualidade e passou a valorizar aqueles que recebiam links contextualizados de sites de alta qualidade e autoritários.
  • Hummingbird (2013): Melhoria na classificação dos resultados, concentrando-se na correspondência exata entre a palavra-chave e a intenção de pesquisa.
  • Mobilegeddon (2015): A compatibilidade móvel tornou-se um fator de classificação.
  • RankBrain (2015): Inteligência artificial e aprendizado de máquina foram adicionados ao algoritmo para entender melhor a intenção de pesquisa do usuário.
  • Mobile First Index: agora considera as páginas mobile como a versão principal para classificação.
  • BERT (2019): integrou um sistema de inteligência artificial especializado em processamento de linguagem natural para entender como os humanos pesquisam.

Fatores de classificação
Estima-se que o algoritmo do Google tenha mais de 200 fatores de classificação. A relação entre eles determina a posição nas SERPs.

O Google não compartilha publicamente esses fatores, mas fez algumas declarações que revelam alguns segredos. Além disso, o próprio mercado realiza estudos para determinar o impacto de determinadas ações no ranking da página. Quer saber mais sobre como funciona o SEO ? Acesse https://goomarketing.com.br/blog/

Em geral, sabemos que existem dois tipos de fatores de classificação: on-page e off-page.

Na página Os fatores de classificação na página residem em suas próprias páginas. Quando o SEO on-page é mencionado, está se referindo à otimização desses elementos.

Alguns exemplos:

  • Título do Conteúdo e Meta Descrição Título
  • Tag
  • Imagens
  • URLs
  • Rich Snippets

O Google avalia esses fatores para entender quais informações as páginas trazem e, portanto, como indexá-las corretamente.

Além disso, o buscador analisa se a página está oferecendo uma boa experiência ao usuário com informações relevantes.

Fora da página

Os fatores fora da página, por outro lado, são elementos que demonstram o status da página como referência, mas não estão localizados no conteúdo da página.

O SEO off-page consiste em otimizar a autoridade do site para usuários e outros sites, com foco na aquisição de backlinks.

Alguns exemplos desses fatores são:

  • Número de backlinks
  • Diversidade de backlinks
  • Contexto de backlinks
  • Menções de marca
  • Sinais sociais
  • Pesquisa direta

Para o Google, fatores nesse sentido revelam o nível de autoridade de um site.

Se uma página recebe muitos visitantes por meio de pesquisas diretas por um nome de marca e muitos backlinks ou menções de sites confiáveis, ela é considerada mais confiável no mercado.

O SEO também desempenha um papel no SEM (Search Engine Marketing), que abrange todas as estratégias de mecanismos de busca, incluindo anúncios pagos e links patrocinados 

Por outro lado, o SEO faz uso apenas de estratégias orgânicas e não abrange compras de mídia. Isso resulta em um maior retorno sobre o investimento (ROI) e menor custo de aquisição de clientes (CAC).

Fonte de Reprodução: Getty Imagem

O que são motores de busca?

Os mecanismos de pesquisa são sistemas ou algoritmos para rastrear, indexar e classificar o conteúdo da Web para exibi-lo de maneira ordenada com base nas pesquisas do usuário.

Quando nos referimos a mecanismos de busca, não estamos falando apenas do Google, mas também do Bing, Yahoo!, Baidu e outros. 

Até o YouTube e o Pinterest podem ser considerados mecanismos de pesquisa, pois costumam ser usados ​​para descobrir conteúdo.

Mas o Google é claramente o líder da categoria, com quase 92% de participação no mercado de buscas.

Cada mecanismo de pesquisa tem sua própria metodologia e critérios de classificação. Mas o objetivo final é sempre o mesmo: oferecer os melhores resultados para o que os usuários procuram.

Como funcionam os motores de busca?

Você já considerou exatamente o que o Google faz quando você pesquisa algo? Apesar de levar apenas milissegundos, há um longo processo para poder exibir uma lista de resultados que respondam à sua pergunta.

Em geral, os mecanismos de pesquisa têm três etapas:

Primeiro, os mecanismos de pesquisa rastreiam o conteúdo da Web usando bots , também conhecidos como aranhas. No Google, é conhecido como Googlebot. Esses bots seguem as conexões de links na web, procurando por páginas novas e atualizadas.

Depois disso, as páginas rastreadas são adicionadas ao índice do mecanismo de busca, que funciona como uma vasta biblioteca de conteúdo da web.

Lá, as páginas são organizadas de acordo com as informações que o bot coletou sobre elas, como tempo de carregamento e palavras-chave.

Esses processos de rastreamento e indexação ocorrem continuamente.

Os bots estão sempre encontrando e organizando o conteúdo na web . Mas a ordem em que eles exibem seus resultados para os usuários é definida por meio de classificação.

A classificação ocorre toda vez que um usuário pesquisa algo – esse é o foco do SEO.

De acordo com as palavras-chave utilizadas na busca, o Google percorre rapidamente seu índice para encontrar páginas que coincidam com esses termos e responda à pergunta.

Assim, a classificação é determinada pela melhor relação entre palavras-chave e uma série de fatores de classificação que compõem o algoritmo de busca.

Eles servem para oferecer uma melhor experiência ao usuário e, consequentemente, aumentar a posição da sua página nos resultados de busca.

Vamos nos concentrar nesses fatores em detalhes a seguir.

Algoritmo e atualizações do Google

O algoritmo do Google é a combinação de operações que definem como os links são classificados na página de resultados de busca orgânica. Sua função é criar uma hierarquia de páginas para fornecer resultados na ordem mais relevante para cada usuário.

O algoritmo adota uma série de critérios para conseguir isso e é continuamente atualizado para se tornar cada vez mais relevante.

Por meio dessas atualizações, o Google visa não apenas melhorar a classificação dos resultados, mas também eliminar ou diminuir a posição de conteúdos maliciosos e de baixa qualidade, que podem prejudicar a experiência do usuário.

Milhares de atualizações ocorrem todos os anos, mas várias se destacam pelo impacto no mercado de SEO. Estas foram as principais atualizações do algoritmo do Google nos últimos anos:

  • Panda (2011) : páginas penalizadas com conteúdo de baixa qualidade que faziam uso de más práticas, incluindo palavras-chave excessivas e fazendas de links.
  • Penguin (2012) : penalizou sites com backlinks de baixa qualidade e passou a valorizar aqueles que recebiam links contextualizados de sites de alta qualidade e autoritários.
  • Hummingbird (2013) : melhorou a classificação dos resultados focando na correspondência exata entre a palavra-chave e a intenção de busca.
  • Mobilegeddon (2015) : a compatibilidade com dispositivos móveis tornou-se um fator de classificação.
  • RankBrain (2015) : adicionou inteligência artificial e aprendizado de máquina ao algoritmo para entender melhor as intenções de busca dos usuários.
  • Mobile-First Index : passou a considerar as páginas mobile como a principal versão para classificação.
  • BERT (2019) : incorporou um sistema de inteligência artificial especializado em processamento de linguagem natural para entender como os humanos pesquisam.

Fatores de classificação

Estima-se que o algoritmo do Google envolva mais de 200 fatores de classificação . A relação entre eles determina a posição nas SERPs.

O Google não compartilha publicamente esses fatores, mas fez algumas declarações que revelam alguns segredos. Além disso, o próprio mercado realiza estudos para determinar o impacto de ações específicas no ranking da página.

Em geral, sabemos que existem dois tipos de fatores de classificação: on-page e off-page.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Otimiza%C3%A7%C3%A3o_para_motores_de_busca

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.